Início » 9 coisas que você deveria saber sobre a Bíblia

9 coisas que você deveria saber sobre a Bíblia

A primeira coisa que você deveria saber sobre a Bíblia é que “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça” (2 Timóteo 3:16). Aqui estão outras 9 coisas que você deveria saber sobre o livro mais vendido de toda a história:

  1. A palavra utilizada em português para “Bíblia” deriva do grego koiné τὰ βιβλία (ta biblia – “os livros”). Enquanto o primeiro uso cristão do termo é provavelmente de cerca do ano 223 d. C., o erudito F. F. Bruce destacou que o pai da igreja Crisóstomo foi possivelmente o primeiro escritor a utilizar o termo ta biblia para descrever a união do Antigo e do Novo Testamento. Esta referência pode ser encontrada em suas Homílias sobre Mateus (escrita entre 386 e 388 d. C.).
  2. Já a palavra ‘testamento’ (no hebraico berîth, no grego diatheke) significa “aliança”. O termo “Antigo Testamento” se refere a aliança feita por Deus com Abraão e com o povo de Israel. E “Novo Testamento” se refere a aliança feita por Deus com os crentes através de Cristo.
  3. A prática de dividir a Bíblia em capítulos se iniciou com Stephen Langton, um arcebismo da Cantuária do século XIII. E posteriormente, no século 16, um acadêmico de Paris, Robert Estienne, foi o primeiro a imprimir a Bíblia dividida em versículos.
  4. A primeira Bíblia impressa de forma completa nas Américas não foi em inglês, português ou espanhol. Na verdade, foi a ‘Bíblia Índígena de Eliot’ (Eliot Indian Bible ou Mamusse Wunneetupanatamwe Up-Biblum God), publicada no estado norte-americano de Massachusetts entre 1660 e 1663. Esta Bíblia foi uma tradução no dialeto Natick da tribo Algonquin, realizada pelo missionário puritano inglês John Eliot.
  5. A primeira tradução da Bíblia ao português foi realizada por João Ferreira de Almeida. Ele nasceu no ano de 1628 em Torre de Tavares, Portugal e trabalhou como missionário no sudeste da Ásia. Almeida iniciou o trabalho de tradução do Novo Testamento já na juventude e terminou no campo missionário. Logo, ele passou a traduzir o Antigo Testamento, chegando até Ezequiel 48.21, quando faleceu. Seu amigo, o pastor holandês Jacobus op den Akker, continuou o trabalho e finalizou em 1694. Já a versão mais popular da tradução de Almeida, a “Revista e Corrigida”, é do ano de 1898.
  6. A primeira Bíblia que destacava as falas de Cristo no Novo Testamento em vermelho foi publicada em 1899, e a primeira que destacava todas as falas de Deus na Bíblia foi publicada dois anos depois. A ideia de realizar esse destaque visual foi de Louis Klopsch, editor da revista ‘O arauto cristão’ (Christian Herald). Ele contava que havia pensado nisso após ler as palavras de Jesus em Lucas 22.20: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês.”
  7. A Bíblia não é apenas o livro mais vendido de todos os tempos, mas também o livro mais vendido do ano, todos os anos (Em 1907, o jornal New York Times notou que “as vendas diárias da Bíblia, de 40 mil cópias, excede a venda anual de muitos romances populares”). Atualmente, se vendem 25 milhões de cópias anuais só nos Estados Unidos.
  8. Em geral, existem duas abordagens para traduções da Bíblia, a equivalência formal e a equivalência dinâmica. A equivalência formal busca reproduzir a gramática e a sintática da língua original da forma mais próxima possível na língua do leitor final. E realiza apenas as mudanças necessárias para que o texto se faça compreensível. Já a equivalência dinâmica foca no significado do texto e tenta comunicar o mesmo significado do original na língua receptora, mesmo se para isso seja necessário mudar a forma gramatical e sintática. Como Rodney J. Decker explica, mesmo que as traduções prefiram uma das formas, todas as traduções possuem tanto equivalências formais como dinâmicas.
  9. Todos os livros do Antigo Testamento, com exceção de Ester, Eclesiastes e Cantares de Salomão são citados ou recebem referências no Novo Testamento. Jesus Cristo citou ou fez referências a Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Salmos, Provérbios, 1 Reis, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, Oséias, Amós, Jonas, Miquéias, Zacarias e Malaquias.

Texto de Joe Carter para o The Gospel Coalition. Traduzido e adaptado para o Narniano por Rilson Guedes.