Início » Como consumir notícias com sabedoria

Como consumir notícias com sabedoria

A pandemia do Covid-19 e os protestos contra injustiças raciais, assim como as tempestades criadas pela mídia em torno a esses dois temas, mostraram que existe uma crescente tensão entre os cristãos. Precisamos de conhecimento e de informação para agir de forma correta e sábia. Mas notícias em excesso muitas vezes terminam gerando ansiedade, divisão, brigas e frustrações.

Em um ambiente midiático com infinitas escolhas de informação misturadas em sua maioria com tendêcias e agendas políticas, os cristãos precisam de mais discernimento do que nunca ao construir uma dieta saudável do que consumimos em questão de informação.

Jornalismo em um mundo caído

Os cristãos devem reconhecer como parte da mídia hoje trabalha contra a nossa habilidade de raciocinar bem e cultivar sabedoria. No livro Amusing Ourselves to Death (Nos divertindo até a morte), publicado por Neil Postman em 1985, o autor demonstra que uma mudança no meio (mídia) causou danos na natureza e no conteúdo de nossas conversas públicas. Enquanto nossa cultura passou de um consumo de notícias escritas para o consumo de imagens na televisão, o discurso se tornou mais superficial e mutável, preferindo dar prioridade a provocações rápidas e extremismo em vez de nuances complexas e moderação. Essa transformação – que foi ainda mais acelerada pela internet – quebrou fundamentalmente o nosso debate público.

Ainda assim, mesmo que o ambiente midiático seja um campo minado de desinformação, títulos manipulativos e retórica política, o bom jornalismo ainda existe. Encontrá-lo requer vontade e disciplina, mas isso pode nos salvar da tendência atual de desconfiança em tudo o que vemos e lemos. Para conseguir isso, acredito que se relacionar com a mídia através de uma série de virtudes bíblicas é de grande ajuda.

Virtudes para um consumo de notícias mais sábio

1. Verdade

Deus detesta a falsidade e deseja que os cristãos façam o mesmo (Pv. 13.5). Em sociedade, estamos desenvolvendo formas de alertar sobre a presença de mentiras nas redes sociais, mas também devemos estar conscientes de sua presença na mídia tradicional. A rapidez das notícias de hoje em dia muitas vezes coloca a verdade e a precisão dos fatos como um desafio cada vez maior, mesmo para os jornalistas mais profissionais e experientes. Deus quer que possamos discernir o fato da invencionice. Além disso, escutar e aceitar mentiras de forma acrítica não é necessariamente agir sem culpa (Pv 17.4). Devemos buscar fontes comprometidas com apresentar informações de maneira correta e as suas ideias de forma honesta, mesmo quando elas vão contra as nossas narrativas preferidas.

2. Autocontrole

As Escrituras muitas vezes falam do autocontrole como um fruto dos cristãos maduros (1 Pe 1.13, 1 Tm 3.2, Tito 2.2). Estes versículos sugerem que a sabedoria cristã é tanto sobre o que escolhemos não dizer quanto ao que escolhermos dizer. Como Provérbios 17.27 diz, “Quem é verdadeiramente sábio usa poucas palavras; quem tem entendimento controla suas emoções.” Devemos buscar fontes da mídia que só falam o que os fatos permitem, levando a uma conclusão que tem embasamento na realidade e não a conclusão que se deseja ter. Encontre fontes que vão aonde os fatos levam, em vez de fontes que usam os fatos de modo seletivo para alimentar uma narrativa pensada previamente.

3. Humildade

Um dos efeitos mais significantes da polarização crescente tem sido a forma tribal em que os lados do debate se enfrentam como se o seu lado estivesse completamente certo, e que tudo do outro lado é completamente errado. Fique atento com fontes de notícias possuem essa postura. Como cristãos somos chamados a viver e a pensar de forma humilde (Ef 4.2). Devemos estar dispostos a ter nossos pensamentos sobre o mundo mudando e a sairmos de nossas bolhas, mesmo quando não for confortável. Devemos buscar fontes de mídia que abracem a complexidade permanente e a incerteza dos assuntos públicos, favorecendo os detalhes em vez das narrativas de ‘herói contra vilão’. É assim que resistirmos a sermos ‘sábios em nossos próprios olhos’ e evitamos os pontos cegos, reconhecendo os efeitos do pecado em todos os lados no debate público (Rm 12.15-16).

4. Paz

Deus detesta brigas, zomba da fúria humana (Sl 2.4) e nos chama a promover a paz (Mt 5.9). Em How the nations rage (Como as nações se enfurecem), Jonathan Leeman afirma que a postura cristã nos assuntos públicos deve refletir uma ‘confiança diferente e atraente’ na história redentiva de Deus, em vez e um desejo desesperado por dominar os assuntos mundanos. O espírito de briga infecta a alma ao diminuir a confiança em Jesus, e infecta a igreja através da desunião. Buscar a paz, é claro, vai contra o tom da maioria da mídia, expecialmente certos canais de TV a cabo que ganham dinheiro com o escândalo como mecanismo de entreter e reter telespectadores. Assistir a esses programas dificilmente vai servir de proveito a um cristão.

Alguns passos práticos para a sabedoria

1. Priorize a forma escrita

Como Postman argumentou, a palavra escrita é especialmente adequada para o consumo ativo de fatos e ideias ordenados logicamente dentro de um contexto. Isso entra em contraste especificamente com o consumo passivo de imagens e vídeos digitais, que não seguem uma ordem lógica e que podem ser facilmente tirados de contexto.

2. Leia mais do que o título

A maioria das fontes de notícias moderna ganham dinheiro com cliques. E a maioria do lucro vem do número de olhos vendo as páginas. Essas empresas se beneficiam quando os leitores sequer passam do primeiro parágrafo, mas clicam em algum título distrativo que os leva a outra página. Resista a essa lógica. O uso sábio da mídia requer mais contexto e nuance do que uma manchete provê, expecialmente aquelas que são desenhadas para nos enganar ou nos provocar um clique. Considere as fontes que dependam mais de assinatura do que do número de cliques.

3. Evite fontes partidárias

Também leia mais fontes que reflitam diversos pontos de vista sobre um assunto e evite fontes que apenas interpretem eventos pelas lentes de um grupo ou tribo social. Teste as fontes perguntando: essa fonte está disposta a criticar o seu partido, a sua personalidade política e a sua causa favorita quando apropriado? Ela está disposta a criticar a minha causa? Ou, ela insiste em sempre ficar a favor dos seus aliados e sempre contra os seus inimigos? Note que há uma distinção importante aqui: Muitas fontes apresentam comentários de acordo com uma tendência filosófica, teológica ou política, e isso pode ser bom para entender o que aquela corrente pensa sobre aquele assunto. Este site, por exemplo, publica recursos que ajudam a cristãos com uma visão de mundo cristã a entenderem eventos e outros assuntos através dessas lentes. Mas isso não quer dizer que o errado deva ser ignorado.

4. Evite consumir muito

Por último, reconheça o lugar do consumo de notícias dentro de uma dieta equilibrada e os riscos do consumo excessivo. Escolha cuidadosamente algumas fontes confiáveis para checar regularmente, em vez de navegar sem rumo pelos feeds da internet. Também pode ser de ajuda em nossa era de notícias 24 horas por dia que você possa selecionar pelo menos uma publicação que posta com menos frequência e que prefere fazer análises mais profundas dos fatos do que coberturas apressadas feitas no momento.

Postman argumenta que a tecnologia nos deu a possibilidade de acesso fácil a muita informação que simplesmente não precisavamos saber e que pouco se pode fazer em relação a elas. Assim como os cristãos do século 21 devem evitar o isolamento das injustiças mundanas, também é sábio focar naquilo que está em nosso poder, alcance e chamado. Fomos criados para viver como pessoas redimidas em nossas esferas de influência, não para carregar o peso de todas as notícias ruins que acontecem no mundo.

Tudo isso importa não somente pra nossa sanidade pessoal nesse mundo de notícias frenéticas, mas também para a nossa missão cristã. Devemos buscar fontes de notícias que nos ajudem a viver efetivamente como discípulos e discipuladores. O discernimento (ou a falta dele) no consumo da mídia pode significar a diferença entre sabedoria e tolice – o que faz dele um assunto crítico para o testemunho cristão no mundo de hoje.


Texto de Bryan Weynand para o The Gospel Coalition. Traduzido por Rilson Guedes para o Narniano.