Início » Como posso glorificar a Deus como jornalista?

Como posso glorificar a Deus como jornalista?

Uma das primeiras coisas que pensei ao entrar na faculdade de jornalismo foi: como posso usar esta profissão para servir a Deus? Por muitos anos eu havia feito uma separação entre o trabalho e o evangelho, e identificava o trabalho com uma atividade secular que tinha pouco ou nada a ver com a vida cristã.
 
Entretanto, as Escrituras me ensinaram que tudo o que os redimidos fazem deve estar moldado pelo evangelho. Quando entendemos esta verdade, a maneira de ver nossa vida muda, incluindo o trabalho.
 
Sou da nova escola do jornalismo, e dediquei meus últimos três anos e meio a buscar histórias, fazer entrevistas, escrever reportagens e tomar muito café. A luz de minhas experiências, quero compartilhar três maneiras pelas quais você pode glorificar a Deus enquanto se põe em prática aquilo que o Nobel de literatura colombiano, Gabriel García Márquez, chamou de “a melhor profissão do mundo”.

 

Defenda o evangelho

Apresentar uma defesa da fé é uma de nossas responsabilidades como filhos de Deus. O apóstolo Pedro nos exorta a estar “sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15).
 
Recebi o primeiro ataque a minha fé alguns dias depois de entrar na universidade. Uma professora ateia, ao saber que eu era cristão, me fez objeto de zombaria na frente do resto da sala. E desde aquele momento minha fé foi provada uma e outra vez no exercício do jornalismo.
 
Em uma ocasião, enquanto trabalhava em um jornal, o diretor me solicitou a cobertura de um evento LGBTI. Tive temor ao receber o trabalho, e decidi consultar a vários irmão se devia ou não cumprir com este trabalho. Ao final cheguei a conclusão de que se eu tivesse apenas de cobrir o evento, não haveria contrariedade com a minha fé. Mas se me pedissem para escrever uma reportagem a favor de dito evento, eu não poderia realizar o trabalho por causa de minhas convicções. Entretanto, ao final de todo este processo soube que tudo não passava de uma brincadeira de mal gosto feita pelo diretor para me provar.
 
Dar a conhecer a nossa fé em Deus deve ser uma das primeiras coisas que façamos onde quer que cheguemos a trabalhar. Com isso, seus superiores e companheiros entenderão que temas e conversas não coadunam com sua fé.

 

Faça tudo com excelência

Se Deus fez tudo com excelência ao criar o mundo (Gn 1.31), também devemos procurar fazer as coisas da mesma maneira. Desde o momento em que saí da universidade, o Senhor me abençoou com pessoas que não só me ensinaram a amar esta profissão, mas também a crescer como jornalista.
 
Em meu último emprego, o chefe que Deus colocou em meu caminho foi uma pessoa que amava fazer tudo com excelência. E como isso é contagioso! As tarefas mais duras, ainda que fossem difíceis, são meios que Deus usa para nos formar como crentes. Devemos nos esforçar para ver cada correção ou puxão de orelha como uma demonstração da bondade de Deus em nossa vida. Ele nos pede que façamos as coisas assim como Ele: perfeitas. Cada vez que você faça um trabalho jornalístico, busque fazer da melhor forma. Dedique o tempo necessário para que o produto final seja o melhor, porque ao fazer assim, você estará glorificando ao Senhor (Cl 3.23).

 

Submeta-se aos seus chefes

A gente tem a impressão de que os meios de comunicação são dirigidos por pessoas mal-humoradas e difíceis. Diferente de um inconverso, o crente deve saber se submeter aos seus chefes (sempre com sabedoria) e apesar de seu caráter questionável.
 
Alguns meses antes de me casar, trabalhei em um meio de comunicação onde o chefe provava a minha fé a cada momento. Seus puxões de orelha eram como o meu pão de cada dia. Vivi momentos tão difíceis que em várias ocasiões pensei em renunciar ao emprego devido ao maltrato. Entretanto, tive a bênção de contar com a companhia e o conselho de meu pastor, que me ajudou a entender e colocar em prática a complexa instrução que Deus dá em 1 Pe 2.18: “Vós, servos, sujeitai-vos com todo o temor aos senhores, não somente aos bons e humanos, mas também aos maus.”
 
Esta verdade do evangelho transformou a minha forma de pensar sobre a sujeição às autoridades impostas por Deus. Vinte dias depois de meu casamento recebi uma carta de demissão. Desta maneira, entendi que o meu tempo naquele lugar havia acabado, e que havia conseguido passar a difícil prova de lidar com um chefe malvado e trazer glória a Deus naquela circunstância.
 
Aquelas dúvidas que tive ao início de minha carreira se dissiparam ao entender que posso glorificar a Deus enquanto exerço minha profissão, à luz do evangelho: defendendo a verdade de sua Palavra em meio a cenários complexos e me sujeitando a chefes insuportáveis com humildade e respeito, pois sei que nesta carreira encontrarei muitos deles.
 
Sempre estarei agradecido ao Senhor por me conceder a bênção de exercer duas das minhas maiores paixões: pregar o evangelho e ser um jornalista.
 

Por Adrián Jaimes Torrado para Coalición por el Evangelio. Traduzido por Rilson Guedes. Adrián Jaimes Torrado serve ao Senhor na Igreja Batista Soberana Graça em Santa Marta, Colômbia. E trabalha com jornalismo.

Marcações: