O Leão que venceu o Dragão

Eustáquio era um menino esnobe, que se achava superior aos seus primos e que pensava que tinha todo o direito de rir deles e destilar todo o seu sarcasmo. Ele se aproveita de cada situação que tem em ‘A viagem do peregrino da alvorada’ para poder mostrar sua superioridade, mesmo depois de chegar a Nárnia. E quanto lhe aparece a oportunidade de conseguir riquezas (além do mais, quem mais mereceria aquilo do que ele?), ele abraça aquilo com todo o seu ser sem importar as consequências.

No entanto, há um lado negativo que ele não conseguiu prever. Aquela sede por riqueza e superioridade o transformou em um dragão. A sua vontade de ser maior que todos e de ter mais que todos o transformou em um monstro. E ao contemplar quem ele tinha se tornado, ele se desespera. O seu reflexo o assusta e ele não consegue pensar em como sair daquilo. Como voltar a ser um menino? Como voltar a ser humano? E como voltar pra casa quando você sabe que tudo o que as pessoas verão quando olharem para você será um dragão?

Por isso, na música “O lamento de Eustácio Scrubb”, da banda The Oh Hello’s, a letra conta como o rapaz percebeu que não podia se salvar sozinho (e ele tentou de todas as formas). Foi quando Aslam lhe apareceu que ele percebeu que tinha que buscar alguém que tivesse a autoridade, a honra e o poder para tirar toda a monstruosidade dele. “Pai, tem misericórdia. Eu sei que eu me afastei. Quando eu vi o meu reflexo. Eu vi um estranho por trás de meu rosto”.

Então, na história de Eustáquio, temos a visão daquilo que nós não podemos encontrar em lugar nenhum fora de Cristo. Podemos ter a força e a sagacidade de um dragão, mas para ser realmente transformados o mero poder das nossas unhas não pode arrancar o mal que há dentro de nós. Só as garras do Leão da Tribo de Judá pode. Mas isso não significa que este processo será tranquilo ou que não custará nada. Ou, como Dietrich Bonhoeffer aponta claramente no seu clássico Discipulado, o discipulado custa a vida do crente.

Ou, como o pastor Jonas Madureira diz no vídeo abaixo: foi apenas quando Eustáquio sentiu a dor mais difícil que ele já teve em sua vida que ele acordou como nova criatura.

Seguir a Cristo não é fácil. Mas o Leão já venceu o dragão na Cruz. A vitória já está em Suas mãos. E, assim como Eustáquio entregou a si mesmo para que Aslam o transformasse novamente em menino, também devemos entregar a nós mesmos a Cristo. E Ele nos fará muito mais que seres humanos outra vez. Ele nos leva a uma nova experiência de vida sendo aquilo que o ser humano deveria ter sido antes da Queda. E ele nos fará novas criaturas e estará transformando cada um de nós para que um dia cantemos com os anjos diante de Deus em um céu repleto de alegria.


Por Rilson Guedes para o Narniano.

Deixe o seu comentário