Pular para o conteúdo

Canção do sertão: um poema nordestino

Sozinho no sertão
Na secura, na aridez
A fraqueza não tem vez

Me ponho a arar, trabalhar, me esgotar
Em meus filhos e em meu pai
Não deixo de pensar

E o que comerei, Senhor?
Somente o que colher
O que é que eu vou colher?
Somente o que eu plantar

Mas, meu Deus, o que foi que plantei?
Só o que o Senhor me deu, Senhor
E tudo o que me deu,
foi bondade pra mim,
e pra todo filho teu que,
assim como eu
Te tem como Sol sobre a cabeça
E fogo em seu coração


Por Rilson Joás para o Narniano.


Marcações:

Deixe o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: